Por João Calderón

Luna Garcia

É no verão que a vaidade descobre seu auge. As pessoas buscam melhorar sua aparência, cuidando da beleza. Estes hábitos acompanham a humanidade desde tempos remotos. No Egito antigo, por exemplo, tanto por razões estéticas como espirituais, os cosméticos eram muito utilizados. Muitos deles elaborados a partir do azeite de oliva que, quando misturado com leite, grãos de incenso, cera e bagas de cipreste, elaborava-se um creme antirrugas, por exemplo, ou era ainda aromatizado com diferentes especiarias para preparar um perfume. Os gregos herdaram também este costume, com objetivos muito mais estéticos, empregando também as técnicas de aromatização para a alimentação, com diferentes pigmentos e ervas para dar um toque especial ao óleo.

Assim como outrora, atualmente os azeites aromatizados tornam-se cada vez mais procurados, utilizados para temperar saladas, em pré-preparos de alguns assados, em marinadas, ou para perfumar um prato. Hoje existem muitas receitas, diferentes maneiras de preparálos e, principalmente, uma vasta gama de produtos que podem ser utilizados como aromatizantes.

As receitas devem sempre ser elaboradas com azeites de excelente qualidade, óleos de oliva extravirgem. Em algumas, são feitas infusões para extrair o aroma das especiarias, harmonizando seu sabor com o óleo. No entanto, deve-se evitar o aquecimento do azeite para o melhor aproveitamento de suas substâncias benéficas à saúde. Deixá-los curtindo, como os gregos faziam, exige mais tempo, porém traz resultado mais interessante.

Recipiente
Para elaborar o azeite aromatizado, deve-se primeiro ter alguns cuidados para esterilizar o recipiente que o receberá. Então, ferve-se água para higienizá- lo. Deixe-o na fervura por cerca de três minutos, junto com a tampa. Depois, mais cerca de três minutos emborcado. Por fim, deixe escorrer e só utilize quando seco.

Armazenagem 
Para armazená-lo, deve-se ter o menor contato possível do oxigênio e os ingredientes completamente submersos no azeite, a fim de conservá-los melhor, como uma espécie de confit. Por serem menos estáveis que um azeite comum, é interessante etiquetá-los com sua respectiva data de fabricação e mantê-los refrigerados por cerca de um mês, dependendo do aromatizante utilizado.

Aromatização
A aromatização é simples, basta se aprofundar na vasta gama de ingredientes e escolher o que melhor harmoniza com seu prato e seu paladar, unindo-o a um bom azeite de oliva extravirgem, e deixando-o curtir.

Para aqueles que preferem não ter trabalho, existem bons produtos no mercado, como os azeites aromatizados da marca Borges, elaborados em colaboração com Ferran Adrià, um dos cozinheiros mais inovadores e vanguardistas do momento. São óleos elaborados sem adição de qualquer essência ou conservantes, de excelente qualidade, mas sem o glamour de ter sido elaborado por você. Outra boa marca é a Savitar, de produtos derivados do Tartufo Bianco D’Alba (trufas brancas), com um ótimo azeite aromatizado.

Graças à vaidade dos egípcios e à consequente tradição dos gregos, chegamos a este óleo, ou melhor, óleos, já que existe uma imensidão de alternativas para aromatizar o azeite. Escolha seus ingredientes, desde os mais peculiares ou mais comuns, como um maço de manjericões, e dê um perfume especial aos seus pratos.

Azeite aromatizado com pimentas (para carnes) 
Elaboração: uma colher de sopa de pimentas (preta, branca, verde e rosa) para 750 ml de azeite de oliva extravirgem.

Azeite aromatizado com trufas brancas (para massas e peixes na brasa) 
Elaboração: ½ trufa branca para 750 ml de azeite de oliva extravirgem.

Outras Receitas:

Azeite de Ervas

Azeite Provençal

Azeite com Alho e Alecrim

 

Azeite com pimenta e manjericão